>

Em resposta a um pedido de uma leitora do Blog Macau Antigo que está na Austrália, junto publico alguma informação sobre o capitão José Abellard Borges que encontrei no livro “Famílias Macaenses” do historiador Jorge Eduardo de Abreu Pamplona Forjaz. São 3 grandes volumes editados em 1996.
José Abelard Borges nasceu a 28 de Julho de 1861 (filho de Manuel José Borges (1834-1889) e Filomena Francisca Batalha (1838-1915) e foi baptizado/registado na Igreja de S. Lourenço. Casou com Veríssima Eulália dos Remédios (1863 com quem teve 4 filhos. Terão casado, como era tradição na altura, pouco antes do nascimento do 1º filho, portanto, cerca de 1880, quando tinha 19 anos, o que é muito natural para a época.
O primeiro nasceu em 1883, Luísa Emília Borges, em 1889 Rafael Gastão Bordalo Borges, em 1892 Artur António Tristão Borges e, em 1898, Mário Augusto Tancredo Borges. 
Embora a informação não conste do já referido livro, José Abelard Borges, terá morrido em 1913, na Guerra do Manufahi (1911-1913), uma revolta contra o domínio português em Timor que contou com o apoio dos holandeses e que não foi bem sucedida devido sobretudo à actuação dos chamados “Leais Moradores de Manatuto”, um corpo de voluntários favoráveis à presença dos portugueses.
A razão pela qual Abellard Borges terá participado neste conflito tem a ver com o facto de se tratar de um militar e naquela altura Macau, Timor e Solor fazerem parte de uma única ‘província’. Esta chamava-se “Província de Macau, Timor e Solor”. Tinha sede em Macau e era independente, quanto ao seu governo, do “Geral Estado da Índia.” Para além das guarnições locais estas províncias tinham ainda militares que iam de Portugal.

Anúncios