>

Faleceu no passado dia 24 de Novembro, aos 76 anos de idade, a irmã Maria Pia Cantieri, fundadora do Centro Diocesano dos Meios de Comunicação Social (CDMCS) e mentora de vários projectos de ajuda social na China continental.
Natural de Verona (Itália), a irmã Maria Pia trabalhou em Taiwan, tendo chegado a Macau em 1975. Para além de ser a figura de referência do CDMCS, dedicou-se ao combate à lepra na China, ao mesmo tempo que liderou projectos de assistência às vítimas da doença, principalmente nas áreas da saúde e da educação.
A criação do CDMCS acontece após uma deslocação do então bispo de Macau, D. Arquimínio da Costa, a Tóquio, em 1974, onde participou numa reunião sobre o futuro dos Órgãos de Comunicação Social (OCS) na Ásia. Nesse encontro definiram-se algumas linhas de acção, que foram posteriormente adoptadas por cada diocese, dentro das suas capacidades logísticas e financeiras.
A chegada ao território da irmã Maria Pia e o empenho do padre Américo Casado foram a chave para a concretização das referidas linhas de acção em Macau, cujo resultado foi a criação, em 1975, do CDMCS, também conhecido por Centro de Comunicação «Shalom».
A rádio foi a primeira aposta dos mentores do projecto. Foram montados dois estúdios, sendo produzidos diariamente programas em português e chinês, cuja transmissão era feita em cadeia com rádios de Macau, Hong Kong e da China continental.
Em 1982, a irmã Maria Pia decide remodelar a sala de cinema da diocese, – construída em 1971 com o auxílio financeiro dos cristãos americanos, – reabrindo ao público com um novo nome: Cineteatro de Macau.
Dois anos mais tarde, em 1983, era inaugurado o vídeo-clube «Shalom» e, em 1985, o CDMCS estreava-se na produção de programas televisivos e de outros formatos audiovisuais.
Como prova do reconhecimento do Governo pelo trabalho efectuado pelo Centro, este foi convidado a integrar a Comissão de Classificação de Espectáculos.
A par da rádio, do cinema e da televisão/vídeo, eram publicados regularmente pequenos impressos de carácter pastoral e litúrgico.
Leprosos
Os programas de rádio produzidos pelo Centro Diocesano dos Meios de Comunicação Social eram difundidos num raio de cem quilómetros à volta de Macau.
Em resposta ao desejo de uns quantos ouvintes católicos da China, a irmã Maria Pia e outras pessoas ligadas ao Centro organizaram uma viagem ao continente, com o objectivo de os visitar.
Após um longo e atribulado percurso, por terra e por mar, finalmente chegaram ao destino: uma leprosaria situada numa ilha. Há 45 anos que ninguém visitava os seus habitantes.
Esta experiência tocou o íntimo da irmã Maria Pia, que decidiu deitar mãos à obra e ajudar aqueles e outros leprosos na China.
Feita uma avaliação das necessidades, o CDMCS recorreu à boa vontade do Centro Raoul Fullereau de Bolonha (Itália), que viria a enviar uma delegação à China para um primeiro contacto com o Governo da província de Cantão.
Não foi preciso esperar muito tempo para que fossem enviados de Itália medicamentos, microscópios e até ambulâncias. Aos médicos locais foram oferecidas motocicletas, com o objectivo de facilitar as deslocações às aldeias e vilas mais recônditas.
A pedido do Centro Raoul Fullereau, o CDMCS passou a colaborar com a Associação AIFO, que ficou encarregue de supervisionar no terreno se as ajudas provenientes de Itália estavam, de facto, a ser aplicadas.
Apesar de todos os avanços conseguidos, a irmã Maria Pia sentia que ainda havia muito por fazer. É então que recorre de novo ao Centro Raoul Fullereau e juntamente com a Caritas de Macau constrói e inaugura três novas leprosarias na província de Cantão: Wai Chau, Kung Meng e Sio Kwan (esta última considerada uma referência para toda a China).
Praticamente resolvidos os problemas mais prementes em Cantão, o espírito empreendedor da irmã Maria Pia levou-a à província de Yunnan, onde conseguiu que fossem construídas escolas para os filhos dos leprosos.
Sobre uma das deslocações que efectuou a Yunnan a irmã detalha com precisão algumas experiências, num relatório por ela redigido: «Em Agosto fomos a Yunnan visitar outras leprosarias e, sobretudo, para ver com os nossos próprios olhos as primeiras escolas e como tinham sido usados os fundos enviados para essa finalidade. Atravessámos montes e vales, rios e ribeiros que corriam sorridentes com uma água cor de café-leite. As estradas eram ensombradas por filas de árvores, cujo nome procurávamos decifrar. Nos socalcos dos montes era cultivado o milho», relata, acrescentando a determinado momento: «As leprosarias encontram-se no meio dos montes. Por isso, em certas ocasiões, era preciso descer do nosso pequeno autocarro e prosseguir a pé por vias e caminhos cheios de lama. Nem o bastão de apoio, por vezes, era suficiente para caminhar sem perigo de cair no meio daquele lamaçal avermelhado».
Durante os anos que esteve radicada em Macau, a irmã Maria Pia realizou ainda algumas viagens missionárias ao continente, sendo de destacar, por exemplo, o encontro que manteve, em 1999, com D. Liu Yuan Ren, bispo de Nanquim, presidente da Conferência Episcopal da China e reitor do Seminário Maior de Pequim, numa deslocação à capital chinesa.
Em 2003 deixa Macau, rumo a Abrantes (Portugal), onde funda a «Domus Mundi», «um espaço de acolhimento em ambiente familiar, aberto a todos os que esperam e procuram uma oportunidade de reflexão, de descanso e de relaxamento».
Artigo de José Miguel Encarnação publicado no jornal O Clarim de 3-12-2010
Anúncios