>

“A quadra festiva do Natal era assinalada, como de costume, com a tradicional Missa do Galo nas igrejas, exposição de presépio e a presença de árvores de Natal nas escolas e instituições de caridade. As igrejas paroquiais de Macau e as restantes enchiam-se de fiéis, na noite de 24, para a tradicional Missa do Galo, umas cantadas e outras rezadas. As missas eram acompanhadas de cânticos próprios da quadra. (…)
As congregações marianas concentravam-se na Igreja de São Domingos, onde assistiam à missa, que era acompanhada de cânticos. Nesta igreja, como nas restantes, havia uma grande afluência de fiéis à mesa da Comunhão e à cerimónia de ‘beijar o Menino Jesus’.
Em várias escolas, oficiais e particulares, faziam-se festas de Natal, com distribuição de prendas aos seus alunos. Na escola infantil D. José da Costa Nunes havia também uma festa. As crianças desta escola levavam a efeito um engraçado programa de variedades, com cantorias e danças, todas vestidas com trajes regionais, e outros entretenimentos infantis de boa disposição e alegria.

No dia 31 de Dezembro, o último dia do ano, era tradição cantar um Te Deum em quase todas as igrejas. O Te Deum dá graças ao Altíssimo por mais um ano que passou e implora ainda a bênção para o novo ano que vai começar e que, na vida da Humanidade, é incógnita difícil de prever ou de calcular.”

in “Igrejas de Macau e Cerimónias Religiosas”, da autoria de Leonel Barros, editado pela APIM, em Novembro de 2010
Anúncios