>

Na década de 1920 proliferam os jornais portugueses apesar de, tal como hoje, os leitores (portugueses) serem uma imensa minoria em Macau. Eis a título de exemplo, alguns jornais da época.
O jornal saiu pela primeira vez a 1 de Julho de 1923. A redacção era no Seminário de S. José e a impressão no Orfanato Salesiano. Teve uma periodicidade semanal até 1 de Dezembro de 1925 quando passa a diário. Durou até 30 de Abril de 1928.
Na imagem dois números (1927 e 1928) do jornal “A Pátria”, “diário destinado à defesa dos interesses portugueses”. O director e proprietário era A. J. Gomes (doutorado em Teologia). O redactor principal A. da Silva Rego. Neste jornal escreveram, por exemplo, Camilo Pessanha, o padre Silva Rego e Charles Boxer. 
Na mesma época destava-se, por oposição ao “A Pátria”, jornal católico favorecido pelo governador, “O Combate” de Rosa Duque. Este período tem como lema “pela Pátria e pela República”… o que indicia bem da rivalidade. Começou a ser publicado em Dezembro de 1923.
Naqueles anos de republicanismo exacerbado um outro título fez história. “A Verdade”, dirigido por Constâncio José da Silva, apareceu em 1927. Publicava-se às 5ªs e domingos e era impresso na tipografia da Rua dos Prazeres, nº 5.“O Liberal” foi um semanário republicano independente publicado entre 1919 e 1923. 
Anúncios