Danilo Barreiros


>

As imagens pretendem ilustrar Macau à chegada e à partida de Danilo Barreiros…
Vista da Praia Grande final década 1920
Em sessão organizada pelo Instituto Internacional de Macau e integrada no Encontro das Comunidades Macaenses de 2010, foi prestada a devida homenagem ao escritor e estudioso das “coisas” de Macau que foi Danilo Barreiros, cujo centenário do nascimento ocorreu em Outubro passado. No palco do Teatro D. Pedro V, local de grande simbolismo para a comunidade, fez-se a evocação do homem e da sua obra e foi apresentado, pelo seu filho Pedro, major-general médico da Força Aérea Portuguesa, natural de Macau e também escritor, artista, e dinamizador cultural, o livro “Danilo no Teatro da Vida” (edição do autor, Outubro de 2010).
Pedro Barreiros, autor do livro, também protagonizou dois encontros com professores e estudantes, no Departamento de Português da Universidade de Macau e na Escola Portuguesa de Macau, e foi entrevistado pela Rádio Macau e por jornais locais. Conseguiu-se, assim, uma divulgação oportuna de uma personalidade invulgar já bastante esquecida entre nós e ficou aberto o caminho para a reedição de algumas das suas obras. No prefácio, o Professor Paulo Franchetti, que conheceu Danilo Barreiros em 1989 e com ele falou longamente, várias vezes, revela-nos as impressões positivas que colheu deste livro: “Da leitura deste romance biográfico, saí com a impressão de que a vida aventurosa e rica de Danilo encontrou aqui o seu narrador ideal. E posso imaginar o quanto ele ficaria feliz ao se ver assim retratado, com tal fidelidade e afeição, pelo filho que lhe herdou os papéis e os livros e, por meio de ampla pesquisa e sistematização de informações, conseguiu compor à volta da vida do pai um vívido quadro da vida portuguesa no começo do século, aquém e além-mar. Especial relevo ganha, naturalmente, a segunda parte do livro, a partir do capítulo XIV, quando começa a aventurosa vida oriental de Danilo Barreiros, pois aí se juntam de modo mais harmónico a experiência do biografado e a vivência do biógrafo que, junto com Graça, sua mulher, é dos maiores conhecedores e dos mais dedicados preservadores da cultura macaense em Portugal”.
E vai ainda mais longe quando, convictamente, assevera que “a melhor homenagem que Pedro Barreiros poderia ter feito ao seu pai era este seu retrato de corpo inteiro, movendo-se contra o pano de fundo de uma época tão próxima e diferente da nossa, ainda capaz de se constituir em palco aberto à aventura e ao exercício triunfante da audácia criativa”. É que, como disse, “não é trivial juntar com equilíbrio e proveito o gesto afetivo, o olhar para dentro do ambiente familiar, a objetividade histórica e o interesse amplo na cultura geral”. “Por isso, se lhe é grata a memória do pai por este ato de preservação, também lhe serão gratos os leitores que, por meio deste volume, poderão ter o prazer de travar contato ou conviver de novo, por algumas horas, com essa personagem fascinante que foi – e agora, graças a este livro, continua sendo – Danilo Barreiros”.
Danilo Barreiros nasceu em Lisboa na tarde de 11 de Outrubro de 1910, um dia após a implantação da República. O regicídio tivera lugar dois anos antes e a mudança de regime dera início a um novo tempo para Portugal, com acrescidas esperanças, muitas promessas que ficaram por cumprir e uma ainda mais acentuada instabilidade política.
“Seus pais andavam na Vida do Teatro e o menino Néné cresceu sem eles em Lisboa que respirou os primeiros anos de República. Tinha nome de herói romântico e as suas aventuras no Teatro da Vida fazem dele o protagonista deste Romance biográfico, que celebra os 100 anos do seu nascimento. Leopoldo Danilo Barreiros, filho da Mouraria e Alcântara; menino de colégio interno, que odiava, e da vida alfacinha dos anos 20, que amava de paixão. Danilo: o aventureiro, que dançava o Tango em Paris, seduzia no Rio de Janeiro, percorria a Bélgica vestido de estudante e decide ir para o Grande Oriente por sugestão de ‘uma rajada de vento’; homem de grande coragem e inteligência, que cultivava a amizade e não fugia a qualquer desafio. Sempre com ‘ânsia da fuga’, navegando pelo ‘Mar Portuguez’, em aventuras pelos portos que levam a Macau, onde finalmente encontrou a estabilidade, o amor e novas paixões intelectuais e culturais”.
Foi no dia 18 de Dezembro de 1930 que Danilo Barreiros embarcou num navio nipónico rumo ao Oriente. Com ele iam outros três portugueses, chineses repatriados da América do Sul e alguns sul-africanos, “boers” e ingleses, com destino à cidade do Cabo. Só a 16 de Fevereiro de 1931, o navio deu entrada no porto de Singapura. Seguiu-se Saigão e, finalmente, Macau, onde o barco atracou na manhã de 3 de Março. Foram três meses de viagem desde o Brasil! “Tinha lido muito sobre o Oriente e sentido o fascínio pelas gentes e epopeia dos portugueses, que as mostravam ao Mundo e de lá trouxeram tantas coisas e tantas ideias e sabedoria, totalmente novas na Europa e que vieram alterar todo o rumo do desenvolvimento do velho continente”.
Em Macau desempenhou cargos variados e casou com “a linda Henriqueta, na altura com vinte e seis anos, culta, professora primária, adorada por toda a gente”. Era filha de José Vicente Jorge, personalidade influente e culta, além de grande coleccionador de arte chinesa. O casamento foi celebrado na Igreja de S. Lourenço, a cuja freguesia pertencia a noiva, no dia 23 de Abril de 1935. “Curiosamente, o Danilo, de 24 anos completados em Outubro do ano anterior, tinha nascido também na freguesia de S. Lourenço, mas de Lisboa”. “O adro e a escadaria da Igreja estavam apinhados de convidados vestidos a rigor, pois o clima do mês de Abril ainda o permitia, e uma multidão de curiosos, grande parte da população do território, que se empurrava para arranjar um bom lugar, onde pudesse ver o cortejo da noiva, de bom ângulo”. “A casa da Rua da Penha engalanou-se como o não tinha feito desde as bodas de prata de José Jorge e Matilde Pacheco”.
Em 1940, Danilo Barreiros, a convite de Henrique Galvão, comissário-geral da grande Exposição do Mundo Português, coordenou a representação de Macau naquele imponente certame, partindo para Lisboa em Março desse ano, com a esposa e oito colaboradores. As peripécias da participação de Macau são relatadas de forma muito apelativa no livro, que não deixa de realçar alguns aspectos mais insólitos. O lançamento da revista “Renascimento” e o envolvimento activo de Danilo Barreiros na sua produção são também explicados, assim como a ocupação japonesa de Hong Kong e a sua forte influência em Macau. Nem que seja só por isso, vale a pena ler este romance biográfico, de prosa fluente e atraente, integrando o leitor facilmente na sociedade macaense das décadas de 30 e 40 do século XX.

“Terminada a guerra, começou, em Macau, a debandada. Estavam todos fartos das violências, crueldade, limitações, racionamentos e fome que tinham experimentado durante aquele tempo hostil”. Pouco depois também partia a família Barreiros: “Em Julho de 1946, para gozo de licença graciosa de quase seis meses, o Danilo, a Henriqueta, e seus filhos Manuel e Pedro, partiram de Macau, no navio ‘Lourenço Marques’. Chegaram a Lisboa com mais um rebento, o José Manuel, que, entretanto, nascera a 16 de Agosto à vista de Port-Said”.

Após longa convalescença de um problema de saúde, Danilo Barreiros estudou Direito em Lisboa. “O êxito do primeiro ano fez com que decidisse terminar o curso. Para poder estudar, demitiu-se das suas funções em Macau, e arranjou emprego na Companhia dos Diamantes de Angola”. Foi depois, durante alguns anos, notário em São Tomé. No resto da vida foi advogado em Lisboa.
“Coleccionou, em mais de trinta grandes livros de recortes (…) tudo o que tinha a ver com Macau e com a China. Acabava de jantar e enfiava-se no seu escritório, com resmas de papel ‘Almaço’, tesoura e cola e, durante horas, engrossava, volume após volume, as suas ‘coisas chinesas’. A biblioteca crescia, recheada de livros, revistas, opúsculos, manuscritos, que ia comprando por tudo o que era alfarrabista em Lisboa”.
No epílogo, Pedro Barreiros diz-nos que “esta foi a história de Danilo que me foi contada por ele, nas longas conversas que tivemos ao longo da vida em comum, desde aquele dia 9 de Julho de 1946 em que deixámos Macau (…)”. “Nestes 48 anos, que correram velozes, nunca o Danilo, nem a Henriqueta voltaram a Macau. Perguntei-me muitas vezes porquê. Nunca lhes perguntei a eles. Sempre a nossa casa em Portugal, quer enquanto vivíamos com o avô, na Praceta Almirante Reis, quer depois da morte deste, foi um bocado de Macau, recheado de objectos, louças, mobílias, livros, álbuns de fotografias que, nunca, pessoalmente me deixaram ser, qualquer outra coisa, que não macaense”.
Além dos trabalhos publicados na revista “Renascimento”, Danilo Barreiros distinguiu-se pelos estudos sobre Wenceslau de Moraes e Camilo Pessanha e sobre outros temas extremo-orientais relacionados com Macau e a China. Colaborou abundantemente em jornais e revistas, como “A Voz de Macau”, “Diário de Notícias”, “O Dia”, “Diário da Manhã”, “Boletim Eclesiástico de Macau”, “A Voz de Olhão”, “A Capital”, “A Tarde”, “Século Ilustrado”, “Notícias de Lourenço Marques”, “A Noite” e “A Noite Ilustrada” (Rio de Janeiro), “Panorama”, “Persona” e “Mais Alto”, além da revista “Renascimento”, que durou quase três anos, de 1943 a 1945, e onde Danilo Barreiros publicou o seu estudo sobre o dialecto português de Macau.
Em Lisboa, foi um dos fundadores da Casa de Macau e “viveu sempre com a cabeça em Macau, mas nunca mais lá foi …”
Artigo da autoria de Jorge Rangel, Presidente do Instituto Internacional de Macau, publicado no JTM a 17-01-2011
Vista de Macau na década de 1940
Anúncios

>

A primeira vez que referi a figura de Danilo Barreiros aqui no blog recordo-me de ter escrito que a sua vida dava um livro e um filme. Pois bem, o livro já existe. Intitula-se  “Danilo Barreiros: no teatro da vida”, foi escrito pelo seu filho Pedro Barreiros e será apresentado dia 11 de Outubro (centenário do seu nascimento) em Lisboa (Instituto Camões). Deixo-vos o prefácio de Paulo Franchetti, crítico literário brasileiro que conheceu Danilo Barreiros já na fase final da sua vida.
Conheci Danilo Barreiros pessoalmente em 1989. Já o conhecia de nome e de texto havia alguns anos. Mas de poucos textos. Basicamente dos seus livros sobre Wenceslau de Moraes e Camilo Pessanha. Aqueles eram outros tempos, sem internet e sem facilidades de reprodução de livros.
A busca e a leitura de um volume podiam até mesmo implicar longas viagens. Os de Danilo só pude encontrar na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, a quatrocentos quilômetros de casa, para onde me deslocara em 1988, com o fim específico de os ler – fato que muito o impressionou, quando lhe contei.
Ainda me lembra perfeitamente o dia em que o conheci. Estava em Lisboa pela primeira vez e por um
mês, buscando sofregamente textos sobre e de Camilo Pessanha. Uma tarde apanhei um catálogo telefônico e lá busquei o nome de Danilo Barreiros, sem saber sequer se ainda era vivo ou se residia em Portugal. Telefonei e, para minha surpresa, atendeu sua mulher, D. Henriqueta, ex-aluna de Camilo Pessanha e filha do sinólogo José Vicente Jorge, amigo e conselheiro do poeta nos estudos da literatura chinesa.
No dia seguinte, fiz-lhe a primeira visita, a que se seguiram outras, durante as quais ele me contou longamente (e eu anotei, para memória futura) a sua vida aventurosa e, principalmente, o que sabia de Moraes e de Pessanha – que era muito e tinha um sabor especial narrado pela sua voz.
Impressionou-me, desde o início, não só a vivacidade do seu pensamento e da sua memória, mas também sua generosidade e disposição de dividir, com um estranho, o muito que tinha amealhado ao longo de anos de dedicação. Foi, portanto, com igual dose de assombro e gratidão que, depois de duas ou três visitas, saí uma noite de sua casa carregado com grandes sacolas, nas quais se encontravam os seus livros, junto com grandes cadernos de recortes de jornal sobre Moraes e coisas do Oriente. “Use o que quiser e quando precisar”, disse-me ele.
Além do conhecimento e da enorme afetividade de Danilo, capaz de me incluir na família a partir da descoberta de que minha avó portuguesa era uma Barreira de Trás-os-Montes, na casa onde fui encontrá-lo ao longo de duas semanas me atraía a presença sempre elegante e muito discreta de D. Henriqueta, que me concedeu uma preciosa entrevista sobre os anos em que foi aluna de Pessanha. Além disso, o lugar da minha peregrinação daqueles dias reunia muitos objetos de arte chinesa, que faziam daqueles cômodos um pedaço vivo de Macau – do Macau português que já quase não encontrei quando para lá fui dois anos depois.
Foi nessa época que fui apresentado, em casa de Danilo, a Pedro Barreiros, médico e artista, cuja pintura vim depois a conhecer e admirar muito – especialmente as obras compostas a partir de poemas de Camilo Pessanha. E a quem agora, depois de ler esta obra notável, que não é só um testemunho de dedicação e de amor ao pai e à terra natal, admiro também como escritor. Da leitura deste romance biográfico, saí com a impressão de que a vida aventurosa e rica de Danilo encontrou aqui o seu narrador ideal. E posso imaginar o quanto ele ficaria feliz ao se ver assim retratado, com tal fidelidade e afeição, pelo filho que lhe herdou os papéis e os livros e, por meio de ampla pesquisa e sistematização de informações, conseguiu compor à volta da vida do pai um vívido quadro da vida portuguesa no começo do século, aquém e além-mar.
Especial relevo ganha, naturalmente, a segunda parte do livro, a partir do capítulo XIV, quando começa a aventurosa vida oriental de Danilo Barreiros, pois aí se juntam de modo mais harmônico a experiência do biografado e a vivência do biógrafo que, junto com Graça, sua mulher, é dos maiores conhecedores e dos mais dedicados preservadores da cultura macaense em Portugal.
A melhor homenagem que Pedro Barreiros poderia ter feito ao seu pai era este seu retrato de corpo inteiro, movendo-se contra o pano de fundo de uma época tão próxima e diferente da nossa, ainda capaz de se constituir em palco aberto à aventura e ao exercício triunfante da audácia criativa.
Não é trivial juntar com equilíbrio e proveito o gesto afetivo, o olhar para dentro do ambiente familiar, a objetividade histórica e o interesse amplo na cultura geral. Por isso, se lhe é grata a memória do pai por este ato de preservação, também lhe serão gratos os leitores que, por meio deste volume, poderão ter o prazer de travar contato ou conviver de novo, por algumas horas, com essa personagem fascinante que foi – e agora, graças a este livro, continua sendo – Danilo Barreiros.
Excertos de uma entrevista de Pedro Barreiros ao jornal Hoje Macau a 6-5-2009
Danilo Barreiros era maçon?
Não. Além da fotobiografia, irei publicar um romance. Cheguei à conclusão que o que estava a escrever não era uma biografia – o meu pai teve uma vida diferente da vida que as pessoas têm. A formação política, por exemplo, é muito interessante. O meu pai foi estudar engenharia para a Bélgica muito novo e acabou o curso no Brasil, onde a minha avó era actriz de teatro. Ela queria que o meu pai tivesse uma vida cultural fina e comprou-lhe um piano de cauda. Ele vendeu-o e montou um quiosque de charutos. Ela acabou-lhe com o negócio e ele foi trabalhar para o porto do Rio de Janeiro como estivador. Nessa altura, fez um jogo de cabra-cega com os amigos: iriam para o sítio onde a página do altas se abrisse. Saiu-lhe a Cochinchina. Esta viagem foi a grande formação política do meu pai. Conheceu Amâncio de Alpoim, que foi presidente do Partido Socialista em Portugal. O meu pai esteve sempre ligado às ideias socialistas, às anarquistas também. Depois do 25 de Abril, aderiu ao Partido Comunista [português] mas também se zangou. Tinha uma grande preocupação de justiça individual. Foi sempre difícil enquadrar-se dentro de um sistema ou clube político.
Mas exerceu alguma militância em Macau?
Não foi militância, foi deslumbramento. É das coisas que mais me fascina. Chegou aqui com aquele curso e a experiência de ‘bon vivant’ da América do Sul. Começou por trabalhar na Melco e, à noite, dava exibições de danças de salão: tinha um fato de macaco e um smoking. A Melco fez com que rapidamente aprendesse cantonense – descobriu que havia em Macau quatro coisas importantes. O dialecto português de Macau, a porcelana chinesa, Camilo Pessanha e Wenceslau de Morais, a quem dedicou a vida. Em 2010 comemora-se o centenário de Danilo Barreiros. Estou a pensar reeditar os artigos que ele publicou n’O Renascimento e noutros jornais, o livro “As marcas da porcelana Chinesa” e o que ele escreveu sobre Camilo Pessanha e Wenceslau de Morais. Há ainda imensas coisas dispersas. Embora tivesse nascido na Mouraria, o meu pai considerava-se e apresentava-se como macaense. 

Fotografia de Danilo Barreiros que faz parte do quadro de honra dos fundadores da Casa de Macau em Lisboa



A aproximação à cultura macaense aconteceu depois de ter conhecido a sua mãe, Henriqueta?
Já estava interessando antes. Ele vivia numa república onde havia uma grande actividade intelectual. Depois de ter conhecido a minha mãe terá ficado mais ligado à porcelana chinesa e talvez a Camilo Pessanha. Acho que a primeira vez que o meu pai a viu foi quando foi arranjar o contador eléctrico a casa de José Jorge. Ficou fascinado com aquela menina. Era muito bonita.
O seu pai também….
Parecia um actor de cinema sul-americano. O meu pai era muito expansivo. Tinha necessidade de dar – livros, por exemplo. A casa dele em Lisboa era uma casa de cultura. Acabávamos os jantares com a mesa coberta de livros. Era uma casa muito frequentada, também por gente de Macau. Habituei-me a ouvir o patuá das senhoras que iam para lá fazer os chás e jogavam mahjong. São sons de Macau que ouvi em Lisboa.
A candidatura do patuá a património da UNESCO pode servir de pretexto para a reedição da primeira colectânea do dialecto, feita por Danilo Barreiros?
Era importante. Foi feita numa altura em que havia um certo rigor. Era importante fazer-se uma fixação da escrita do patuá. Para além da colectânea, tenho cartas dos anos 50/60 escritas em patuá. O meu pai, desde 1993 até morrer em 1994, colou tudo o que ele entendia que tinha interesse sobre Macau e a China em cadernos de papel almaço. Tenho 33 volumes com recortes. Propus a Carlos Marreiros fazer-se uma selecção de 200 páginas – só para aguçar o interesse os estudiosos. Está ali pano para mangas; há Macau para todos os gostos.
E esta biografia pode dizer o quê a quem desconhece Danilo Barreiros?
A personalidade do meu pai começa com o nome. Leopoldo veio do padrinho, empresário de teatro no Brasil; Danilo porque, quando nasceu, a companhia onde os meus avós trabalhavam estava a apresentar “A Viúva Alegre”; Barreiros é o nome de teatro do meu avô. É esta a chave para a vida de Danilo Barreiros.
É fácil escrever sobre um pai?
É porque não tenho pretensão de ser escritor. O romance sou eu a falar do Danilo. Ele foi sempre o Danilo. O meu pai, embora fosse real – tão real que morreu – era, ao mesmo tempo, um personagem. Tinha auto-crítica mas não tinha muito pudor. As coisas saíam-lhe: cantava ao desafio; não passava a limpo, escrevia sem correcção. O romance vai terminar na viagem de Macau para Portugal. Depois do regresso a Lisboa, na convalescença de uma doença, matriculou-se em Direito e passou o resto da vida como advogado. Lisboa foi sempre para ele um local de exílio. Não sei porque não voltou. Mas manteve uma correspondência intensa com macaenses como Luíz Gonzaga Gomes.
Que notícias ele queria saber?
Se aquela cultura e gente de Macau que ele conheceu tinha possibilidade de continuar ou não. Uma vez escreveu sobre a preocupação de um dia haver um tufão que deitasse abaixo as ruínas de S. Paulo e que com isso fosse tudo o resto.
Livro da autoria de Danilo Barreiros sobre Camilo Pessanha… Apenas um dos vários que dedicou ao poeta e também a Wenceslau de Moraes.
Alguns dos livros da sua autoria:
A Paixão Chinesa de Wencelaus de Morais, Ag. Geral do Ultramar, 1955
O Testamento de Camilo Pessanha, 1961
As Marcas nas Porclena Chinesa, 19?
A carreira militar de Santo António na cidade de Macau, 1938